Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

A armadilha do Orgulho

Desde que nascemos convivemos com outros – irmãos, pais, primos, amigos, parentes, vizinhos e estranhos. No início da vida são nossos pais que definem nossos encontros sociais, nos carregando para a casa de parentes e amigos, shoppings e igrejas. 

São nossos pais que escolhem o lugar onde moramos e a escola que frequentaremos. Com o passar dos anos, entretanto, nós vamos selecionando de quem vamos nos aproximar para aprofundar a interação social, e de quem vamos nos afastar pelo fato de não haver muita facilidade de integração.

Na verdade, vamos percebendo que arte de conviver com pessoas exige uma boa dose de paciência e humildade. Muitos são os que pensam diferentes, têm opiniões distintas das nossas, e se comportam de um modo que desaprovamos. Há ainda os que fazem bullying, os que escolhem serem nossos inimigos e os que disputam posições e amigos. 

Na vida adulta continuamos a frequentar círculos sociais distintos, por necessidade profissional inclusive. E em muitos destes espaços encontramos pessoas tímidas, extrovertidas, confiáveis, falsas, amorosas, orgulhosas, afetivas e frias. 

Pessoas com atitudes falsas e cínicas podem nos enganar por um certo tempo. Elas sabem como elogiar, conseguem fazer massagem no ego alheio visando publicidade e poder, e podem encantar a muitos. Mas pessoas altivas e orgulhosas nós identificamos rapidamente, bastando poucos minutos de conversa. 

O orgulhoso tem orgulho do próprio orgulho. Ele não esconde o quanto se admira e faz um excelente marketing pessoal.  Quando suas atitudes ou palavras são colocadas em cheque, sua empáfia o distingue, e sua atitude arrogante e altiva não nos passa despercebida – ele sempre vai apontar as falhas alheias e inocentar-se de todas as culpas. 

A Bíblia afirma que O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo, antes da queda. (Provérbios 16.18). Pessoas orgulhosas, que não usam de bem senso, que não voltam atrás em suas decisões mesmo quando estas se mostram errôneas, caminham a passos largos para o abismo. 

O orgulhoso tem dificuldade de reconhecer o erro, não pede perdão nem quando sabe estar destruindo relações de afeto familiares. Não segue os conselhos dos mais velhos e entendidos. Prefere não depender do afeto alheio, e pensa que consegue sobreviver sem o amor ou o favor dos outros à sua volta. Acaba solitário, sem afeto, e sem a benção de Deus! 

O orgulho é um perigo, causa destruição a relacionamentos sadios, e fecha portas profissionais e ministeriais. E o mais difícil é que, quando apontado por outros, nem sempre a razão, já cauterizada, permite que o orgulhoso se conscientize de que precisa mudar sua postura, seu olhar, seus valores e suas atitudes. 

Livre-se do orgulho. Avalie constantemente suas ações e motivos, partilhando afetos, dando honra a quem merece, ouvindo e valorizando mais os outros que o amam. Volte a pedir desculpas e elogie atitudes alheias, sendo honesto em seus afetos e na compreensão das qualidades das outras pessoas. 

Aprenda a considerar os outros superiores a você, como nos ensina Paulo: Não sejam egoístas, nem tentem impressionar ninguém. Sejam humildes e considerem os outros mais importantes que vocês. (Filipenses 2.3 NVT). 

Afinal, nunca seremos a cereja do bolo, ou a pessoa mais competente sempre, por mais que nos esforcemos. Cabe-nos fazer o nosso melhor, sendo sempre a melhor pessoa  possível em nossas relações sociais, permitindo que outros possam expor suas competências e opiniões. 

Sempre seremos parcialmente dependentes do afeto e dos conselhos de algumas pessoas, e absolutamente dependentes da misericórdia de Deus!

elaine

 

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A opção de amadurecer

Escrito por Elaine Cruz
A opção de amadurecer

Quando pensamos sobre o desenvolvimento humano, percebemos que Deus trabalha com uma preci...

A Primavera

Escrito por Elaine Cruz
A Primavera

Eu e meu marido caminhamos todos os dias. Na verdade ele é super disciplinado e corre diar...

Pequenas Esperanças

Escrito por CPAD Web
Pequenas Esperanças

Aprendi a história da arca de Noé ainda na minha primeira infância. Desde pequena imagino...

Lembranças da infância

Escrito por Elaine Cruz
Lembranças da infância

O dia das crianças, comemorado no dia 12 de Outubro, sempre foi controverso pra mim. Como...

Outubro Rosa

Escrito por Elaine Cruz
Outubro Rosa

Outubro Rosa é um movimento que teve início no ano de 1990 em um evento chamado "Corrida p...

A Verdade Incomoda

Escrito por Elaine Cruz
A Verdade Incomoda

A Bíblia trabalha com verdades absolutas sobre Deus, salvação, pecado, e vida social, prof...

Saudades

Escrito por Elaine Cruz
Saudades

A palavra saudade em português, segundo a história, surgiu no período dos descobrimentos....

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2020 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.