Judite Maria da Silva Alves

Professora e terapeuta familiar; casada com o Pr.Ailton José Alves (presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco); mãe de três filhos (casados), e avó de quatro netos. Apresenta diariamente, há mais de dez anos, o programa “A mulher e seus desafios” pela Rede Brasil de Comunicação. Lidera o trabalho de Círculo de Oração em todo o estado de Pernambuco e coordena as atividades sociais da IEADPE, que mantém oito Centros de Desenvolvimento Integral Vida em várias comunidades carentes na Região Metropolitana do Recife, onde são atendidas mais de 4 mil crianças.

Não seja manipuladora

Por estes dias, pensava em que mensagem traria para vocês, mulheres. Foi quando me veio o desejo de escrever sobre a manipulação. Logo me veio outro pensamento: “Será que fui manipulada ou manipulei em algum momento da vida?” Isso me levou a orar. Não me lembrei de nenhum fato, por isso orei como Davi: “Quem pode entender os próprios erros? Expurga-me dos que me são ocultos” (Sl 19.12). Essa deve ser nossa oração diariamente.

Vamos ao tema da manipulação. Segundo o dicionário de Psicologia da American Psychological Association (APA), a manipulação é o comportamento consciente visando explorar ou controlar outras pessoas através do choro, acesso de raiva, doença falsa, ameaça de suicídio, mentira ou maquinação para obter consideração, atenção ou vantagem especial.

Desde a mais tenra idade, e ainda bebês, aprendemos a manipular. O bebê insiste para ficar sempre no braço, mesmo depois de banhado e alimentado. Ele aprende que, através do choro, pode fazer a mãe desistir de deixá-lo ali. Quando a mãe cede, ele usa aquele comportamento para ter seus caprichos realizados. Ademais, o infante pode ser estragado com os mimos em demasia, presentes a todo tempo e sem admoestação. O resultado dessa formação é um adolescente irreverente, incapaz de lidar com a frustração, que tornou-se um especialista em manipular.

Um exemplo clássico da manipulação é o caso do filho de Davi, Amnom. Ele desejou possuir sua própria irmã e não mediu esforços para satisfazê-lo. Simulou estar doente, implorou ao pai que enviasse a sua irmã para cuidar dele e assim pôs em prática o seu mal intento. Ele abusou sexualmente de sua própria irmã. Seu final foi a morte (2 Sm 13).  

A dissimulação faz parte da manipulação psicológica. Em Gênesis 34, vemos um exemplo disso. Os filhos de Jacó se vingaram dos siquemitas usando a manipulação psicológica. Eles disseram enganosamente: “Poderemos dar a nossa irmã se vocês se circuncidarem como nós”. Os moradores de Siquém não tinham tal costume, mas foram manipulados e aceitaram. O próprio Hamor disse ao povo da cidade: “Esses jovens são pacíficos”. Com essas palavras todos os homens da cidade praticaram a circuncisão. Ao terceiro dia, quando estavam sofrendo fortes dores, Simeão e Levi sorrateiramente entraram na cidade e mataram todos os homens. Essa foi a vingança pela defloração de sua irmã Diná. O resultado foi a chacina de todos os varões daquela cidade.  

Nas famílias onde há filhos e pais manipuladores, há desrespeito e falta de amor. Elas fogem do que a Bíblia orienta: filhos precisam de amor e os pais precisam de respeito. Minha amada, como mãe, você não precisa manipular os filhos para adquirir honra e respeito. É um mandamento bíblico honrar o pai e a mãe e ensinar isso é o suficiente. Não precisamos usar as táticas de sedução de Dalila, que enlaçou Sansão, nem da astúcia de Rebeca, que convenceu Jacó a mentir e enganar o próprio pai e o irmão.

A ira, a indiferença e as ameaças advindas de um espírito controlador não vêm de Deus. Oremos como Davi: “... da soberba guarda teu servo, para que se não assenhoreie de mim; então serei sincero e ficarei limpo de grande transgressão. Sejam agradáveis as palavras da minha boca, e a meditação do meu coração perante a tua face: Senhor rocha minha e libertador meu” (Sl 19.13-14). Não seja manipuladora, seja sincera e confie em Deus: Ele nunca nos decepcionará.

 Judite Alves

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A Perseverança nos leva a alcançar...

Escrito por Judite Alves
A Perseverança nos leva a alcançar a promessa 

Ouvimos muito falar nos últimos dias sobre a necessidade de sermos gratos, de aproveitarmo...

A Criação nos inspira, as Escritura...

Escrito por Judite Alves
A Criação nos inspira, as Escrituras nos ensinam!

C.S Lewis escrevendo sobre o Salmo 19, disse: “considero este salmo o maior poema do salté...

Por que elaborar o Luto?

Escrito por Judite Alves
Por que elaborar o Luto?

Talvez aos olhos de algumas pessoas esse tema pareça difícil de ser digerido, pelo fato de...

Sentimento de inutilidade

Escrito por Judite Alves
Sentimento de inutilidade

Uma senhora, de mais de 70 anos, pediu para ser atendida por mim por estes dias, mas ela n...

Estágios de intimidade com Cristo

Escrito por Judite Alves
Estágios de intimidade com Cristo

Após o momento da salvação, um caminho se abre para o crente no relacionamento com Deus. O...

Ser Grata é ser Cheia de Deus

Escrito por Judite Alves
Ser Grata é ser Cheia de Deus

A gratidão é o senso de felicidade e satisfação em respostas ao recebimento de um presente...

Cuidado! Não se envolva em Fake New...

Escrito por Judite Alves
Cuidado! Não se envolva em Fake News

Nunca, em toda a história, vivemos um tempo de tanto engano. O advento da tecnologia abriu...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.