Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Guardando moedas

Há um ditado popular bem conhecido desde os primórdios da sociedade, que diz: “vou pagar na mesma moeda”. E todos compreendemos seu significado, que é pagar do mesmo modo o serviço ou desfavor recebido; retribuir da mesma maneira, ou dar o troco correspondente ao que recebemos.

Retribuir o outro na mesma medida, ou fazer o outro pagar pelo que fez, ou ainda acertar as contas com o outro, é um desejo expresso por muitos. E este anelo é tão antigo e usual, que a Bíblia o cita em Provérbios 24.29: Nunca diga: “Vou lhe pagar com a mesma moeda. Vou acertar as contas com ele!” (NTLH).

Analisando outras versões do mesmo versículo, fica explícito o significado da expressão pagar na mesma moeda: E não diga: "Farei com ele o que fez comigo; ele pagará pelo que fez". (NVI); Não diga: "Agora vou me vingar do que ele me fez! Vou acertar as contas com ele!” (NVT); Não digas: Como ele me fez a mim, assim lhe farei a ele; pagarei a cada um segundo a sua obra. (ARA).

Nossa tendência natural é retribuir a ofensa, pagar mal com mal, dar o troco que julgamos merecido, explorar nossa vingança, acertar as contas para não nos sentirmos diminuídos, fazendo o outro pagar pelo que nos fez. Mas a verdade é que pagar na mesma moeda não cura a mágoa, ou elimina a dívida do outro – só serve para aumentar o valor do débito, ampliando ainda mais a distância e o desafeto entre pessoas.

Não é fácil engolir afrontas.

É muito complexo lidar com pessoas iracundas e agressivas, que ferem intencionalmente com palavras injustas, mentirosas e cruéis.

É doloroso ouvir críticas ou julgamentos que sabemos não merecer, e optarmos por deixar que o tempo declare nossa inocência.

É dificílimo calar quando sabemos ferir quem nos fere, especialmente quando conhecemos os pontos fracos de quem nos agride.

É natural que desejemos retribuir as ofensas, dar o troco em quem nos fere, ou simplesmente usar nossas moedas para esfregar na face do outro a nossa revolta, mesmo que seja para expressar nossas razões. Contudo, quanto mais ferimos, mesmo quando somos feridos, mais abrimos feridas em nós mesmos.

Eu sempre costumo dizer que prefiro que o outro erre comigo, do que eu ter que conviver com o remorso de saber que eu errei ou feri o outro. Por isso, prefiro me calar, chorar sozinha diante de Deus, aquietar minha irritação em silêncio, me afastar para orar, cantar para espantar a dor ou revolta que insiste em crescer. Não é fácil, por vezes não consigo cumprir minhas metas com maestria (sou humana, e solto uma palavra ou um olhar), mas sigo tentando…

Ao invés de gastar suas moedas dando trocos na agressão alheia, ou de jogar suas moedas à mesa e desmascarar o agressor, pagando para se chatear ainda mais, e podendo ser ainda mais machucado a partir do seu ato vingativo ou no ímpeto da revolta, guarde as suas moedas.

Não vale a pena gastar com ouro para mirar focinhos de porco, ou devolver em moedas coisas que vão nos custar a paz, a harmonia familiar, ou o bom ambiente no espaço de trabalho. Nenhuma moeda tem valor para pagar pela nossa paz de espírito, e não há preço para a harmonia familiar, conjugal e parental.

O tempo ajuda a amenizar a ira, a oração auxilia a cura da dor, a leitura bíblica lava as feridas da alma, o silêncio nos ajuda organizar as palavras corretas.

Economize suas moedas para gastá-las com afeto, poupe para investir suas palavras com coisas boas e lícitas, com doações de expressões de gratidão com as pessoas que amam você.

Guarde suas moedas para poupar sua fé e sua boa consciência.

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Lança o teu pão! 

Escrito por Elaine Cruz
Lança o teu pão! 

Estou escrevendo este artigo diretamente da cidade do Porto, em Portugal. Deste país,...

Uma palavra às solteiras

Escrito por Elaine Cruz
Uma palavra às solteiras

Embora vivamos em um mundo dito avançado, alguns países promovem casamento forçado, ainda...

Em uma próxima vez…

Escrito por Elaine Cruz
Em uma próxima vez…

Minha bisavó materna nasceu na cidade de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro. A des...

Renove-se!

Escrito por Elaine Cruz
Renove-se!

O Salmo 139, que é um dos meus prediletos, afirma no verso 14: Eu te louvo porque me fizes...

Saudades constantes 

Escrito por Elaine Cruz
Saudades constantes 

É muito comum, quando as pessoas perdem uma pessoa que amam, especialmente quando estas fa...

Ser Mulher

Escrito por Elaine Cruz
Ser Mulher

Minha avó materna teve uma infância difícil, trabalhando muito em casa para apoiar os irmã...

Guardando moedas

Escrito por Elaine Cruz
Guardando moedas

Há um ditado popular bem conhecido desde os primórdios da sociedade, que diz: “vou pagar n...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.