Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram coisas desnecessárias, "sem pensar". Quando ouvimos, geralmente damos um desconto pois, afinal, o agir ou a fala da pessoa parece que a dominaram de tal forma que o seu filtro social não funcionou.

Na verdade, é perfeitamente viável perdermos coisas porque não estávamos atentos no momento em que as guardamos ou deixamos em algum lugar. Assim como podemos dirigir de casa até o trabalho, ou simplesmente pegar uma condução até a igreja que frequentamos, e simplesmente não conseguirmos nos lembrar de como chegamos até lá. Nestes casos, nosso pensamento estava voltado para outros assuntos (menos ou mais importantes), e nossa atenção estava direcionada para outras questões. Contudo, é importante considerar que estávamos conscientes, concentrados em cada vez que paramos em um sinal vermelho, ou prestando atenção (mesmo que secundária) nas curvas da estrada.

O fato de não nos lembramos com detalhes do percurso percorrido só aponta para o fato de que fazemos muitas coisas de forma automatizada, especialmente quando são tarefas ou afazeres cotidianos ou ações repetidas com frequência. Nossa mente é inteligente, programada para repetir atos, tendo a tendência a automatizar movimentos. Afinal, não sairíamos do lugar se pensássemos em cada passo, inspiração ou piscada de olhos.

Quando começamos a dirigir, nossa atenção a cada passada de marcha no carro é altamente concentrada, mas ao longo dos anos passamos as marchas de modo automático. De forma semelhante, caminhamos de forma automatizada, sem a percepção de como vamos alternando as passadas ao longo do caminho.

Comportamentos automáticos só são possíveis quando se tornam superaprendidos. Quando praticamos uma ação repetidas vezes, acabamos nos tornando tão habilidosos na tarefa pretendida, que poderemos realizá-la com pouca atenção ou nenhum pensamento direcionado. Só por este motivo conseguimos caminhar ou dirigir fazendo outras tarefas, como cantar, conversar, arrumar o cabelo ou falar ao telefone (não quando estivermos ao volante de um carro…).

Dentro desta perspectiva, portanto, quando uma pessoa age de forma impulsiva, sem pensar ou analisar seus atos, ela só fará algo que já está acostumada a fazer. Nosso comportamento habitual direciona nosso automatismo, e um exemplo disto é a pessoa que, no seu dia de folga do trabalho, ao pegar no carro para ir ao mercado ou ao shopping, acaba pegando o caminho do trabalho!

Assim sendo, uma pessoa que tem a tendência de falar mal dos outros, se não estiver muito atenta à sua fala, acabara denegrindo a imagem de uma pessoa que diz gostar. Quem está acostumado a falar palavrão em casa, mesmo se dizendo evangélico, pode soltar um palavrão bem cabeludo quando tiver a oportunidade de testemunhar em sua igreja – ou seja, a prática cotidiana direciona seu comportamento, adequado ou não, mesmo em situações sociais que exijam decência e parcialidade.

De forma semelhante, quando alguém se desculpa dizendo que falou algo sem pensar, na realidade está exteriorizando algo que já foi pensado, conceituado e valorizado, mesmo no silêncio do seu pensamento. O próprio Jesus já declarou: Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração. (Mateus 12.34).

Se nossa fala e nossas ações refletem nosso coração, que possamos analisar melhor nossos conceitos, nossos valores, e nossas ações e expressões ditas automáticas, atentando para o que Jesus nos diz: O homem bom, do seu bom tesouro, tira coisas boas, e o homem mau, do seu mau tesouro, tira coisas más. Mas eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado. Pois por suas palavras você será absolvido, e por suas palavras será condenado. (Mateus 12.35-37).

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Quem casou bem?

Escrito por Elaine Cruz
Quem casou bem?

Quando encontramos alguém que não víamos há muito tempo, é comum que a conversa gire em to...

Escolha se comprometer

Escrito por Elaine Cruz
Escolha se comprometer

Todos nós carregamos na memória o pesado fardo de lembranças que envolvem situações em que...

Falando sem pensar!?

Escrito por Elaine Cruz
Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram cois...

Chuva e ventos

Escrito por Elaine Cruz
Chuva e ventos

Em nossa igreja cantamos uma versão de um hino americano que diz: Chuva e vento não podem...

Inconsequência

Escrito por Elaine Cruz
Inconsequência

Esta semana, no estado de São Paulo, um adolescente de dezesseis anos pegou a arma do pai,...

Unidade Conjugal

Escrito por Elaine Cruz
Unidade Conjugal

Na minha infância, era comum um casal ter vários filhos. Além disso, era usual que as pess...

Hospitais

Escrito por Elaine Cruz
Hospitais

Estou escrevendo este artigo em um hospital particular no Rio de Janeiro, onde estou como...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.