Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Educando meninas

Deus me deu o privilégio de ter um casal de filhos. Thiago tem seis anos a mais que a Pamela, e isto deu a mim e meu marido a oportunidade de formar e acompanhar muito bem tanto a formação do caráter, como a construção da masculinidade e da feminilidade de cada um, respectivamente.

Pelo fato de ser mais nova, minha filha mergulhava no universo de brincadeiras do meu filho, e este, sempre muito paciente e correto, desde cedo a informava, do jeito peculiar dele, o que era de menino ou de menina. Cresceram amigos, e hoje, já casados, permanecem amigos.

Minha filha desde cedo compreendeu que meninos não usavam vestidos, não colocavam enfeites no cabelo e nem brincavam de Ken - no máximo com bonecos de super heróis. Assimilando o outro, soube se diferenciar sem competir, simplesmente entendendo que muitas regras e atitudes da sua feminilidade eram diferentes e complementares.

A educação atual tenta impor que meninas e meninos são iguais. É claro que as potencialidades intelectuais são iguais, e que ainda lutamos por salários e igualdade social num mundo machista, onde em muitos países a mulher ainda não é contada ou considerada. Mas educar meninas implica em assumir a feminilidade esperada.

Nós mulheres, em geral, desde cedo somos mais falantes e curiosas. Isto facilita a criação de meninas, que gostam de conversar e se informar, desde que nós, as mães, nos dispusemos a ouvir e explicar o universo feminino a elas. Compartilhar enfeites, maquiagens, sapatos, bolsas, laços e fitas, bem como atitudes e comportamentos esperados socialmente.

Por mais diverso que seja o temperamento, meninas e meninos precisam aprender, sim, a falar em tom educado, comer de boca fechada, se dirigir a outros com deferência, respeitar seus corpos, honrar os pais, ter educação e polidez social. Entretanto, assim como os meninos precisam aprender a desenvolver sua masculinidade, as meninas necessitam aprender a ser femininas.

O universo jovem hoje está repleto de mulheres que tomam hormônios masculinos, muitas para desenvolver músculos, e acabam ficando com voz grossa e corpo deformado. Outras assumem postura masculina, sentam de forma deselegante, e se vestem de forma masculinizada, mesmo que não tenham comportamento homossexual. Em um outro extremo, muitas adolescentes se vestem de forma chamativa, mostrando pernas e seios, com saias minúsculas, e postam fotos e nudes nas redes sociais com postura erótica. Não respeitam seus corpos, os  expõem de forma sensual, e não compreendem que estão menosprezando a si mesmas, expondo suas carências. Acabam se envolvendo com homens obscenos, encontrando sexo enquanto buscam afeto e admiração.

Mulheres devem se fazer bonitas, precisam se arrumar bem, gostar de seus corpos e, principalmente, de si mesmas. Mas ser feminina também implica em ser bela sem ser vulgar. Implica em saber se arrumar sem se expor.

Fico me perguntando onde nós, mães, estamos falhando em prover a nossas filhas uma auto estima e auto imagem reconfortante. Por que há tantas jovens carentes mendigando afeto? Temos nos esforçado para abraçar, conversar e dar carinho a nossas meninas? Por que tantas se escondem atrás de uma postura masculinizada? Nosso casamento tem sido exemplo? Estamos estimulando nossos maridos a serem modelos masculinos apropriados as nossas filhas? Nossas posturas de vida têm sido tão favoráveis para servirem de exemplo de mulheres femininas e felizes?

Sabemos que há um trabalho espiritual maligno para destruir mulheres. Mas nós, que somos mulheres e servas de Deus, precisamos resistir e forjar mulheres felizes e comprometidas com sua feminilidade. Este trabalho deve ser feito na igreja, em nossa comunhão enquanto Corpo de Cristo.  Mas precisa começar prioritariamente em nossa casa, com nossas filhas, noras e netas. Vamos arregaçar as mangas e batalhar, recuperando o privilégio e a honradez da feminilidade?

elaineElaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Onde está Deus?

Escrito por Elaine Cruz
Onde está Deus?

Meus pais se mudaram para os Estados Unidos no ano de 1984. Na época eu estava com dezenov...

O Futuro começa Hoje! (Parte 2)

Escrito por Elaine Cruz
O Futuro começa Hoje! (Parte 2)

O tempo rege nossas decisões acerca do que fazemos com a nossa vida. Temos tarefas própria...

O Futuro começa Hoje! (Parte 1)

Escrito por Elaine Cruz
O Futuro começa Hoje! (Parte 1)

Não podemos imaginar nossa vida sem a contagem do tempo. Não conseguimos preencher um docu...

Os opostos se complementam!?

Escrito por Elaine Cruz
Os opostos se complementam!?

Adão e Eva, que só conheciam o bem, passaram a conhecer também o mal quando pecaram contra...

Saudades do Lar

Escrito por Mulher Cristã
Saudades do Lar

Sempre me emociono quando leio estes versos: Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste n...

A alegria da manhã

Escrito por Elaine Cruz
A alegria da manhã

A vida é feita de dias e noites que se revezam indefinidamente. E é a partir dos horários...

O controverso Dia dos Namorados 

Escrito por Elaine Cruz
 O controverso Dia dos Namorados 

O comércio sempre lucra, e muito, com o chamado Dia dos Namorados. Afinal, se há um dia pa...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.