Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

 A evangelização infantil       

Pelo fato de ter crescido em um lar evangélico, com pais atuantes e comprometidos com a obra de Deus, eu sempre frequentei a igreja. Todos os dias havia uma atividade: cultos públicos, cultos de doutrina, cultos de oração, ensaio do coral (meu pai era o maestro), ensaio do coral infantil  e Escola Bíblica Dominical.

Na minha infância, minha mãe trabalhava com o Departamento Infantil, e minhas férias eram repletas de EBF (Escola Bíblica de Férias) e de finais de semana passados em retiros e acampamentos.

A despeito de tantas atividades, lembro-me bem do dia que aceitei Jesus, aos cinco anos de idade. Foi em um evento no parque da cidade onde eu morava em São Paulo, e recordo-me de levantar minha mão, chorando copiosamente, declarando que queria seguir Jesus minha vida toda. 

Aos quatorze anos eu fiz o curso de evangelização de crianças da APEC (Aliança Pró Evangelização de Crianças), com duração de um ano, já no Rio de Janeiro. Já lecionava em classes e Escola Dominical desde os doze anos, e pude realizar muita EBF e congressos infantis. Muitas daquelas crianças e adolescentes hoje já são pastores, prosseguindo na pregação do evangelho, espalhados pelo Brasil e por algumas cidades do mundo. 

Hoje atuo ao lado do meu marido pastoreando a igreja. Mas ainda valorizo muito a evangelização infantil. Como psicóloga e educadora sei que a melhor fase para incutirmos o evangelho na mente da criança, provendo valores e conceitos bíblicos, é até os oito anos de idade, quando a base do seu caráter se forma. Desde pequena a criança compreende a simplicidade do plano da salvação, busca com sabedoria o batismo com o Espírito Santo, e defende suas convicções bíblicas perante sua família, muitas vezes ganhando pais e colegas para Cristo. 

É por esta razão que assisto, temerosa e preocupada, os rumos que a educação infantil secular vem tomando no Brasil.  Além das propostas do ensino sobre a teoria da evolução e sobre a ideologia de gênero nas escolas, inúmeros outros projetos têm sido apresentados visando promover o ensino do ateísmo, com a intenção objetiva de impedir o ensino sobre a existência absoluta de Deus. Alguns educadores e políticos ainda defendem que o ensino religioso só seja permitido, na escola e nos lares, a partir de 21 anos de idade, como já acontece em alguns países. 

Há uma guerra diabólica armada contra nossas famílias, que visa impedir e denegrir a formação moral e espiritual das nossas crianças. É claro que a meta final é impedir a evangelização e fechar as igrejas evangélicas, cuja prioridade sempre será pregar e ensinar o evangelho a seus membros e suas famílias.

Dentro deste quadro que vivemos no Brasil e no mundo, é importante que as famílias acordem e que as igrejas orem muito. Mas cabe-nos também investir, cada vez mais, na evangelizado infantil, dentro dos templos e especialmente dentro dos lares.

Nossas crianças precisam voltar a se interessar por aulas na EBD que sejam  dinâmicas e evangelísticas. Nossos filhos e netos necessitam voltar a ler livros evangélicos e serem aguçados pela curiosidade de conhecerem mais a Bíblia. Nossos lares precisam ser tabernáculos, onde cultos domésticos e reuniões de oração sejam frequentes entre os membros da família. 

Filhos precisam ser educados em casa, recebendo no lar as bases sólidas para a formação do seu caráter e sua fé. Portanto, lute pelos seus filhos e netos. Não espere que a escola cumpra o papel que é da família! 

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

O poder da Imaginação

Escrito por Elaine Cruz
O poder da Imaginação

Quando nascemos, as pessoas pensam sobre nós. Pais, parentes e amigos próximos vão elabora...

Pode ou não pode? 

Escrito por Elaine Cruz
Pode ou não pode? 

Antes de completar um ano de idade, uma criança já sabe muito sobre o que pode ou não pode...

A começar em nós

Escrito por Elaine Cruz
A começar em nós

Eu cresci fazendo pesquisas escolares nas famosas enciclopédias Barsa, Britannica, ou Laro...

Quem casou bem?

Escrito por Elaine Cruz
Quem casou bem?

Quando encontramos alguém que não víamos há muito tempo, é comum que a conversa gire em to...

Escolha se comprometer

Escrito por Elaine Cruz
Escolha se comprometer

Todos nós carregamos na memória o pesado fardo de lembranças que envolvem situações em que...

Falando sem pensar!?

Escrito por Elaine Cruz
Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram cois...

Chuva e ventos

Escrito por Elaine Cruz
Chuva e ventos

Em nossa igreja cantamos uma versão de um hino americano que diz: Chuva e vento não podem...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.