Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

A Fragilidade da Vida

É sempre impressionante segurar um recém nascido nos braços. O corpo pequeno, delicado e frágil me faz refletir no poder deste Deus criador e detalhista, que comanda e coordena tudo com tanta delicadeza e precisão. É emocionante observar os dedos pequenos, as unhas tão bem desenhadas, o olhar perdido que vai se tornando curioso, o sono relaxado acompanhado de sorrisos e barulhos diferenciados. 

Observar um bebê também me faz analisar o quanto somos frágeis e indefesos. Uma criança nasce, com traços peculiares e uma vontade enorme de brigar contra o sono e os horários impostos. Alguns meses se passam e ela já faz chantagem para ser segurada no colo, e escolhe os sabores dos sucos e papinhas que mais gosta. Alguns meses a mais, e ela se senta sem apoio, engatinha e tenta dar os primeiros passos – agora a diversão é tirar as roupas das gavetas, mexer nas coisas que alcança e tirar a roupa que seus pais colocaram nelas! 

Crescemos, nos tornamos adolescentes e jovens, e mesmo nestas fases de primavera e tão cheias de perspectivas, muitos são os que adoecem, se tornam adictos, abraçam filosofias cada vez mais irracionais como viva muita e morra rápido, e são levados pela frivolidade de vícios e amigos, mostrando qual frágil pode ser a linha tênue entre nossas escolhas. 

A vida adulta nos enche de responsabilidades, cobranças e estresse, e passamos anos nos preocupando de tarefas repetitivas. São muitos os que sucumbem à fragilidade dos relacionamentos e sentimentos, que somatizam emoções negativas, e que adoecem precocemente o corpo e a alma. 

Na velhice, quando nossos órgãos também se enfraquecem e voltam a ser delicados, necessitando de cuidados e exames criteriosos e constantes, voltamos a pensar na fragilidade do tempo que passa tão rápido, e vai levando pessoas que amamos, deixando lembranças que aquecem um coração que já bate mais devagar e fragilizado.

Nestes dias em que vivemos a pandemia provocada pelo coronavírus, mais uma vez percebemos qual frágil somos, quão rápida é a vida, e como devemos agradecer pelo que temos e aproveitar as oportunidades de estar com as pessoas que amamos. Muitos pais, irmãos, pastores e amigos estão sucumbindo ao vírus, e necessitamos repensar nossos valores face à esta vida tão fragilizada.  

A vida é frágil, assim como as pessoas, os afetos, os sonhos, as escolhas, a saúde, as amizades, os amores humanos, os projetos de vida. E é por este motivo que devemos nos lembrar constantemente que quem nos criou é o mesmo que nos conhece, a ponto de poder manter nossa racionalidade e sobriedade ao longo desta delicada vida terrena, enquanto nos preparamos para a vida eterna. Deus é o único que, de fato, pode nos ajudar a manter a paz e contentamento em meio a tanta fragilidade: 

Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que venham os dias difíceis e antes que se aproximem os anos em que você dirá: “Não tenho satisfação neles”; antes que se escureçam o sol e a luz, a lua e as estrelas, e as nuvens voltem depois da chuva; quando os guardas da casa tremerem e os homens fortes caminharem encurvados, e pararem os moedores por serem poucos, e aqueles que olham pelas janelas enxergarem embaçado; quando as portas da rua forem fechadas e diminuir o som da moagem; quando o barulho das aves o fizer despertar, mas o som de todas as canções lhe parecer fraco; quando você tiver medo de altura, e dos perigos das ruas; quando florir a amendoeira, o gafanhoto for um peso e o desejo já não se despertar. Então o homem se vai para o seu lar eterno, e os pranteadores já vagueiam pelas ruas.

Sim, lembre-se dele, antes que se rompa o cordão de prata, ou se quebre a taça de ouro; antes que o cântaro se despedace junto à fonte, a roda se quebre junto ao poço, o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu. (Eclesiastes 12.1-7)

elaine

 

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Tempos de Já e Ainda Não

Escrito por Elaine Cruz
Tempos de Já e Ainda Não

Para a vida emocional, especialmente para as pessoas normais, que projetam intentos e fina...

Hikikomori - pessoas que vivem sem...

Escrito por Elaine Cruz
Hikikomori - pessoas que vivem sem sair de seus quartos

Sabemos que estamos vivendo o momento chamado por Jesus de O princípio das dores (Mateus 2...

Onde está Wally?

Escrito por Elaine Cruz
Onde está Wally?

Nos anos noventa, o ilustrador britânico Martin Handford lançou o personagem Wally para o...

Chuvas de Outono

Escrito por Elaine Cruz
Chuvas de Outono

O outono é a estação em que a terra se refresca do verão. As temperaturas ficam mais amena...

Luto pós Covid

Escrito por Elaine Cruz
Luto pós Covid

Todos os dias recebo inúmeros pedidos de oração por familiares de pessoas com Covid. Algum...

Mulheres, Covid e Suicídio

Escrito por Elaine Cruz
Mulheres, Covid e Suicídio

Desde o início do aparecimento global do coronavírus, a taxa de suicídios, em todo o mundo...

Namorando a Vida

Escrito por Elaine Cruz
Namorando a Vida

Namoro – parte 10 Viver não é simples. Desde o nascimento enfrentamos bullying, desaf...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.