Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

O crescimento da Nomofobia

O medo é uma emoção inata e natural ao ser humano, entendida como um instinto primário para garantir nossa sobrevivência física. Entretanto, não nascemos com medo de coisas que não conhecemos: nossos medos são aprendidos, e quanto mais convivemos com pessoas medrosas, mais medrosos ficamos. 

O medo pode ser simples, como medo de insetos, de tempestade ou do escuro. Estes medos em geral são aprendidos na infância, por vezes sem nenhuma associação com um fato específico, mas sempre construídos por outras pessoas, e associados a vivências e questões sociais.   

Quando o medo cresce, a ponto de paralisar e impossibilitar a vida cotidiana, algumas pessoas desenvolvem medos específicos muito aterrorizantes, chamados de fobias.  

Quando o medo de determinados lugares, objetos ou situações é excessivo e descontrolado, a ansiedade surge ao primeiro pensamento de possibilidade de confronto com o que se teme. A pessoa passa a ter comportamentos irracionais, realizados para gerar um sentimento de segurança. 

Mesmo reconhecendo que o medo é exagerado, ainda assim o pavor domina as pessoas a tal ponto de muitas paralisarem, sofrerem taquicardia, náuseas, tonturas e até desmaios. 

A pandemia evidenciou o interesse do brasileiro pela comunicação, mais especialmente pelo hábito, e vício, pelas redes sociais que o aparelho disponibiliza. No Brasil, o número de celulares vendidos é maior do que o  número da população do Brasil. 

É cada vez mais frequente a reclamação de professores, cujos alunos direcionam muito mais a atenção a seus aparelhos celulares do que à aula expositiva. Da mesma forma, todos já percebemos a avidez das pessoas em seus celulares dentro de ônibus, metrô e trens, e muitas vezes lendo mensagens quando na condução de um carro!

Muitos almoços de família se tornam silenciosos, pois os membros da casa, mesmo ao sairem para restaurantes, se isolam um dos outros para manter "contato" com sua rede de amigos virtual. Muitas pessoas estão cada vez mais dependentes de celulares, vários casamentos estão definhando por conta do pouco diálogo, e é grande o numero de pessoas que passaram a usar mais de um telefone celular.

A dependência do celular e de outros equipamentos tecnológicos que permitem a comunicação é uma doença chamada de nomofobia ou nomobilofobia, que significa no mobile – ou medo de estar sem “mobilidade”, quando as pessoas não conseguem se desprender da tecnologia, deixando os aparelhos ligados 24 horas por dia, inclusive enquanto dormem.

A nomofobia pode causar ansiedade, desamparo, angústia, impotência, pânico, taquicardia, sudorese, insônia, e pode levar a uma dependência extrema, onde a pessoa fica sem dormir para não se desconectar ou pela ansiedade de saber que vai ficar um tempo sem se comunicar com alguém.

Uma vez diagnosticada, esta síndrome exige terapia psicologia e/ou medicamentosa, com a urgência de que hábitos sejam modificados e a pessoa se volte mais para o seu mundo real e relacional.

Neste momento em que ainda passamos pela pandemia, e em que nos acostumamos a cultos online e a vendas por aplicativos, o uso do celular se fez necessário para muitas pessoas. Muitos se registraram em aplicativos e passaram a usar ainda mais as redes sociais. Contudo, com o crescimento da nomofobia, especialmente entre adultos, precisamos repensar nossos  hábitos. 

Desligue-se do mundo à sua volta e reconecte-se mais a Deus.  Interaja com as pessoas reais à sua volta, dilua sua expectativa sobre estar conectado com outros, diminua a quantidade suas postagens, e selecione as informações que deseja processar, e invista mais tempo com você mesmo e com Deus! 

Não se permita viver dependente dos likes alheios, e nem ansioso pelo número de curtidas em suas postagens. Não dependa de pessoas, e muito menos de uma aparelho celular que o “conecta" a outras pessoas. Se é para depender, dependa de Deus!

elaine

 Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Namorar na Igreja

Escrito por Elaine Cruz
Namorar na Igreja

Namoro - Parte 2 A igreja é um espaço determinado por Deus para aprendizagem e comunhão. A...

Namoro com propósito!

Escrito por Elaine Cruz
Namoro com propósito!

Namoro - Parte 1 Na maior parte do tempo em que escrevemos para o público feminino, pensam...

Novo Ano, Novas expectativas

Escrito por Elaine Cruz
Novo Ano, Novas expectativas

No ano de 2020, assim como nos ciclos que se encerram, paramos para considerar a incerteza...

O último dia do ano?!

Escrito por Elaine Cruz
O último dia do ano?!

Muitos dizem que o ano de 2020 não deveria ser contado, ou nem mesmo ter começado. Outros...

Feliz Natal! 

Escrito por Elaine Cruz
Feliz Natal! 

A cada ano que passa, os canais de televisão, tanto os abertos como os pagos, estão invest...

Reuniões de Família

Escrito por Elaine Cruz
Reuniões de Família

Jesus não nasceu no dia 25 de Dezembro, mas esta é a data escolhida para comemorarmos seu...

Decidindo Positivamente

Escrito por Elaine Cruz
Decidindo Positivamente

Estamos prestes a concluir um ano complexo, com foi este ano de 2020, e nos ciclos que se...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.