Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Saudades do Lar

Sempre me emociono quando leio estes versos: Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir. (Salmos 139.13-16).

Estes versos revelam o papel primeiro da maternidade, que é doar o útero para que uma nova vida se inicie. No ventre materno, todos nós fomos formados e entretecidos, costurados pelo próprio Deus, que acompanha os detalhes do desenvolvimento do corpo, sempre tão maravilhosamente construído. Podemos dizer que o ventre materno é nossa primeira casa, nosso lar inicial tão seguro e aconchegante!

Quando nascemos, o cheiro das nossas mães está impregnado em nós, e quando elas exercem uma maternidade de forma amorosa e presente, o colo materno é sempre uma tentativa de buscar segurança nesta terra em que somos peregrinos. A mãe forma os valores edificadores da alma, gera raízes emocionais, e quando sábia, passa a ser a primeira Bíblia que lemos!

Quando escrevo este artigo, fazem quatro dias que perdi minha mãe. Ela foi um útero seguro, me proporcionou uma infância feliz e sempre foi uma amiga e um porto seguro. Era firme em sua forma de educar, extremamente amorosa em suas atitudes, mas muito consciente dos valores e conceitos que se esmerou em internalizar em seus quatro filhos. Acima de tudo, era crente fiel, compassiva, amante de uma boa música (tocava violino lindamente) e completamente devotada às pessoas com quem pastoreou ao lado do meu pai. Ela faleceu serena, em casa, cercada por todos os filhos, genros e netos, envolta em músicas que havia nos ensinado desde a infância.

Me casei aos vinte anos, deixando meus pais nos Estados Unidos, e voltando para o Brasil. Mas sempre tive a oportunidade de visitá-los, de forma que meu marido e meus filhos pudessem construir boas lembranças dos meus pais. E quantas memórias temos hoje da minha mãe, que gostava de montanha-russa e de tomar banho de chuva, cozinhava quitutes deliciosos específicos para cada integrante da família, orava e clamava a Deus em um ministério de intercessão contínuo, e que amava rir, bem como cantar e nos ver dividindo vozes.

Tive o privilégio de ver e ouvir seu último suspiro – a vida deixando o corpo, quando a alma e o espírito se separam da matéria destrutível com que somos formados. Foi dolorido ver seu corpo inerte, mas é reconfortante saber que, agora, as dores, doenças e tristezas não mais a atingem! A partir da sua morte, as palavras de Paulo sempre me surgem à mente: Sabemos que, se for destruída a temporária habitação terrena em que vivemos, temos da parte de Deus um edifício, uma casa eterna no céu, não construída por mãos humanas. (2 Coríntios 5.1).

Sei que a morte não é o fim – mas sim o começo da vida eterna para aqueles que servem fielmente a Deus. Sei também que a saudade só vai aumentar ao longo dos anos, mas agora tenho ainda mais determinação para chegar aos céus, de modo a encontrar o nosso Salvador e abraçar minha mãe. Afinal, a vida terrena é só a antessala da eternidade!

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A Dor da Ingratidão

Escrito por Elaine Cruz
A Dor da Ingratidão

Ingratidão dói. E dói porque reflete a não reciprocidade de afetos envolvidos, que em um p...

Patriotismo

Escrito por Elaine Cruz
Patriotismo

O último dia sete de setembro, em todo o Brasil, ficou marcado pelo patriotismo. Nosso paí...

Uma vasilha de azeite

Escrito por Elaine Cruz
Uma vasilha de azeite

Eu sou casada com filho de portugueses, que coloca azeite em pães, saladas e diversos assa...

Liberdade para escolher marido!

Escrito por Elaine Cruz
Liberdade para escolher marido!

Todos estamos acompanhando, estupefatos e tristes, a tomada do poder do regime extremista...

O Afeganistão e as muitas conversõe...

Escrito por Elaine Cruz
O Afeganistão e as muitas conversões da vida

Nos últimos dias acordamos com as notícias, em diferentes meios sociais, sobre a volta ao...

Estradas

Escrito por Elaine Cruz
Estradas

Eu gosto muito de dirigir. Tirar a carteira de motorista foi meu presente de dezoito anos,...

O que levamos da vida?

Escrito por Elaine Cruz
O que levamos da vida?

Minha mãe faleceu há pouco mais de um mês. São muitas as questões legais e burocráticas qu...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.