Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

A Dor da Ingratidão

Ingratidão dói. E dói porque reflete a não reciprocidade de afetos envolvidos, que em um primeiro momento foram bem aceitos pela pessoa que foi amada, ajudada e amparada.

Sabemos que precisamos fazer o que devemos, sem expectativa de retorno pelo outro. Porém, enquanto humanos, é quase impossível não esperar, pelo menos, um agradecimento, a oferta de um simples “obrigado”. 

Gratidão não é uma atitude inata do ser humano. Nascemos achando que somos o centro da casa e da família, a razão da existência dos nossos pais. Para o recém-nascido, a mãe é seu complemento natural, sempre disponível para interpretar seus desejos, cuidar e alimentar. O filho que mama realmente acha que o seio materno é dele, jamais da mãe!

A gratidão precisa ser ensinada em casa, através de pais amorosos e sábios, que dedicam-se aos filhos, ao mesmo tempo que os ensinam a agradecerem pela casa, pela roupa lavada, pelos brinquedos ou livros escolares.

Os filhos precisam saber do esforço financeiro que seus pais demandam – não como uma forma de “jogar na cara” ou de chantagear a prole. Os filhos precisam compreender o quanto são cuidados e amados por pais dedicados. Precisam aprender a não serem egoístas e hedonistas: um dia serão pais, e precisam aprender a doar seu tempo, investir seu dinheiro e disponibilizar seus afetos aos seus futuros filhos.

A gratidão sempre tem como base o exercício da troca, da reciprocidade. A convivência com irmãos, primos, colegas da escola e da igreja tem como um dos propósitos ensinar as bases de troca. Inicialmente a criança começa trocando objetos e brinquedos, e mais tarde aprende a compartilhar refeições na escola e na família. Posteriormente deve ser estimulada a trocar afetos e sentimentos, inclusive dizendo o quanto ama os pais, avós e irmãos.

Ao longo das trocas, quando fica feliz pelo objeto ou abraço que recebe, precisa aprender a identificar esta alegria como gratidão – o prazer que sentimos ao sermos percebidos, cuidados e amados pelos outros.

O problema da ingratidão inicia quando o indivíduo cresce achando que não precisa trocar, devolver ou agradecer o que recebeu. Como uma criança, de forma egocêntrica e mesquinha, passa a pensar que não precisa fazer nada pelos outros, em um exercício individualista que vai se transformar na prática da ingratidão.

Sim, a ingratidão dos outros nos machuca. Mas, com o passar do tempo, o ingrato sentirá o peso da sua própria ingratidão, quando se perceber sozinho em sua individualidade. Afinal a vida não favorece os mesquinhos, que acabam sozinhos e sempre muito insatisfeitos com sua sorte, pois não aprendem o dom do contentamento!

Deus não gosta da ingratidão. Até porque o ingrato é tão prepotente e orgulhoso, que não consegue ser grato nem mesmo pelas bençãos divinas: porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e o coração insensato deles obscureceu-se. (Romanos 1. 21).

Gratidão é uma decisão. Uma decisão diária, que nos aproxima de Deus e de quem amamos. E o que aprendemos é que quanto mais gratos nós somos, mais abençoados seremos pelas pessoas e por Deus!

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Influências culturais

Escrito por Elaine Cruz
Influências culturais

A cultura pode ser definida como toda a complexa gama de comportamentos, tradições e conhe...

Convivendo com pessoas infelizes 

Escrito por Elaine Cruz
Convivendo com pessoas infelizes 

Algumas pessoas passam a vida escolhendo a infelicidade. Foram criados em lares hostis, co...

Os seios femininos (Outubro rosa)

Escrito por Elaine Cruz
Os seios femininos (Outubro rosa)

É impressionante como a importância do seio feminino sofreu alterações em sua significação...

A ânsia de mudar o passado!?

Escrito por Elaine Cruz
A ânsia de mudar o passado!?

Hoje é o presente que temos. O passado e o futuro não nos pertencem: já vivenciamos o pass...

A Dor da Ingratidão

Escrito por Elaine Cruz
A Dor da Ingratidão

Ingratidão dói. E dói porque reflete a não reciprocidade de afetos envolvidos, que em um p...

Patriotismo

Escrito por Elaine Cruz
Patriotismo

O último dia sete de setembro, em todo o Brasil, ficou marcado pelo patriotismo. Nosso paí...

Uma vasilha de azeite

Escrito por Elaine Cruz
Uma vasilha de azeite

Eu sou casada com filho de portugueses, que coloca azeite em pães, saladas e diversos assa...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2021 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.