Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Dores da guerra

Temos acompanhado o desenrolar de guerras e rumores de guerras ao longo do planeta, e em especial todos temos recebido os relatos sobre a guerra em Israel. Assistimos imagens fortes de bebês degolados, de crianças acondicionadas em jaulas como animais, de mulheres sangrando pós estupro. Vídeos mostram pessoas desesperadas com mísseis cortando os céus, e são assustadores os olhares de famílias refugiadas em abrigos, temendo o pior desfecho para a situação.

Como evangélicos, conhecemos a aliança de Deus com Abraão, a promessa renovada com sua descendência, bem como a história de Israel. Sabemos que Jesus era descendente de Jacó, que teve seu nome mudado pelo próprio Deus para Israel.

Jesus morou na Galiléia, peregrinou pelo território de Israel, morreu em Jerusalém, cumpriu toda a Lei, e inaugurou uma nova Aliança. Aprendemos, assim, a amar Israel, mesmos cientes de que a Igreja é o verdadeiro povo de Deus na terra hoje.

Os judeus viveram cerca de dois mil anos sem pátria, mas ao longo dos anos mantiveram sua cultura e a religião judaica. E ainda assim, por mais aguerrido que seja o povo judeu, é triste observar o quanto este povo vem sendo massacrado ao longo dos séculos, a exemplo do Holocausto, que exterminou cerca de seis milhões de judeus, sendo que muitos morreram anonimamente em campos de concentração.

Hoje, com celulares nas mãos, os registros de tantos sofrimentos são acessíveis. As imagens chegam em nossos aparelhos e computadores, que vivenciamos as dores e a agonia deste povo. E por mais que as imagens e os bombardeios afetem nosso sono, a grande maioria de nós está orando de longe.

Como psicóloga tenho acompanhado algumas pessoas que vivenciam este conflito mais de perto. Avós que estão com seus netos no exército de Israel, mães cujos filhos moram em Israel, e familiares e amigos de jovens que foram mortos ou que estão desaparecidos. Todos trazem relatos impressionantes e dores intensas, além de um assombro crescente.

Sobre este assombro eu também compactuo. Paulo afirma que os homens “… tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e o coração insensato deles obscureceu-se. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre.” ‭‭(Romanos‬ ‭1‬:‭21‬-‭23‬, ‭25‬).

Me assombro ao ver o quanto as pessoas se tornaram desumanas, torturando mulheres, usando idosos e crianças como escudo, matando com prazer. Assistimos vídeos em que homens gargalham satisfeitos ao mostrarem imagens de massacres de civis inocentes. E muitos vídeos na Europa mostram mulheres maduras, segurando as mãos de seus filhos enquanto se dizem orgulhosas pelos massacres realizados por terroristas.

Tudo isto ressalta que a consciência humana está cada vez mais cauterizada pelo pecado. A maldade está se ampliando, e a dureza dos corações só aumenta. As pessoas assistem vídeos sem se importarem com a dor alheia, e são muitos os que ainda se alegram com o sofrimento alheio. São homens fúteis, insensatos e com coração obscurecido.

As dores da guerra provocam cicatrizes no corpo e na alma. Mutilam gerações inteiras e marcam famílias ao longo do planeta. E o que nos cabe fazer é orar pela paz de Israel, clamar por aqueles que sofrem, anunciar Jesus aos perdidos, e olhar com atenção para a figueira!

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

O poder da Imaginação

Escrito por Elaine Cruz
O poder da Imaginação

Quando nascemos, as pessoas pensam sobre nós. Pais, parentes e amigos próximos vão elabora...

Pode ou não pode? 

Escrito por Elaine Cruz
Pode ou não pode? 

Antes de completar um ano de idade, uma criança já sabe muito sobre o que pode ou não pode...

A começar em nós

Escrito por Elaine Cruz
A começar em nós

Eu cresci fazendo pesquisas escolares nas famosas enciclopédias Barsa, Britannica, ou Laro...

Quem casou bem?

Escrito por Elaine Cruz
Quem casou bem?

Quando encontramos alguém que não víamos há muito tempo, é comum que a conversa gire em to...

Escolha se comprometer

Escrito por Elaine Cruz
Escolha se comprometer

Todos nós carregamos na memória o pesado fardo de lembranças que envolvem situações em que...

Falando sem pensar!?

Escrito por Elaine Cruz
Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram cois...

Chuva e ventos

Escrito por Elaine Cruz
Chuva e ventos

Em nossa igreja cantamos uma versão de um hino americano que diz: Chuva e vento não podem...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.