Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Resquícios do Natal

Dezembro é o mês mais aguardado pelos comerciantes. A grande maioria das lojas fazem seus pedidos de mercadoria nos meses de agosto e setembro, e já em meados de outubro os estabelecimentos comerciais começam a aumentar seus estoques. E quando entramos no mês do Natal, a dança entre oferta e procura se amplia!

Com o décimo terceiro salário em mãos, que foi formulado como um subsídio financeiro para as festas natalinas, o combustível necessário para aumentar os gastos se instaura. As lojas ficam abarrotadas, o trânsito nas grandes cidades fica caótico, e as listas de compras só aumentam.

O comércio online, que tem crescido muito no Brasil, após a pandemia, também é favorecido pelos muitos eventos do Natal, como festas em empresas, diversos amigos-ocultos e eventos familiares com diferentes núcleos da parentela. E seguimos, todos os anos, comemorando e gastando – e graças a Deus por aqueles que passam as festas de final de ano armazenando boas lembranças!

Infelizmente, para grande das pessoas, os resquícios das festas natalinas não são tão bons. O dinheiro extra, gasto em presentes e eventos, faz falta no momento em que chegam as listas dos livros escolares para o ano letivo dos filhos, ou para acertar os impostos anuais com carros e imóveis. E quando isto acontece, por melhores que tenham sido as comemorações, as dívidas anulam as alegrias vivenciadas.

Sabemos que Jesus não nasceu em dezembro, mas acredito ser importante comemorar a vinda de Jesus à terra, sendo Deus encarnado. Ele viveu como homem para vencer o pecado e nos outorgar a salvação. Jesus venceu a morte, abriu-nos o caminho para Deus, e nos garante vida eterna.

Sim! Jesus precisa ser comemorado todos os dias, e não só no Natal, mas também no Natal.

Contudo, precisamos ter sabedoria para que eventos natalinos não deixam resquícios que acabam por desvirtuar o propósito real das festas. Há pais que se endividam por meses para comprar presentes de natal caríssimos, entrando em prestações e carnês que são mais altos do que o aluguem da casa em que moram. Há avós que pegam empréstimos para agradar seus familiares, e que depois sofrem em filas de hospitais porque não sobra dinheiro para pagar planos de saúde, mesmo os mais simples.

Precisamos ensinar nossos filhos a pedir menos. Netos precisam ser estimulados a dar afeto e carinho, desenvolvendo afeto pelos avós pelo simples fato de serem descendentes de pessoas afetuosas, e não simplesmente porque os avós os mimam com presentes caros. O próprio Deus já nos orienta na Bíblia a usarmos de sabedoria até mesmo ao ofertar à Ele, quanto mais aos outros: Cada um dará segundo as suas posses, de acordo com as bênçãos recebidas do SENHOR, o seu Deus.(Deuteronômio 16:17).

Nossos encontros familiares também precisam ser cobertos das bençãos de Deus. Necessitam ser espaço de testemunhos da transformação operada pela nossa conversão. Em casas de evangélicos o Evangelho precisa ser pregado, mesmo que silenciosamente: não pode haver bebedeira, piadas indecentes, fofocas sobre a vida alheia, ou implicâncias com a finalidade de denegrir ou diminuir outros parentes e amigos.

Quando passarem as festas, e o novo ano se iniciar, que os resquícios sejam os melhores possíveis. Que possamos somar muitos sorrisos, presentes adequados à nossa realidade social, muito afeto e, que Deus nos permita, salvação de parentes e amigos.

Assim sendo, quando reunir a família e amigos, priorize Jesus. E quando sair às compras, peça orientação a Deus e preserve sua saúde financeira.

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

O poder da Imaginação

Escrito por Elaine Cruz
O poder da Imaginação

Quando nascemos, as pessoas pensam sobre nós. Pais, parentes e amigos próximos vão elabora...

Pode ou não pode? 

Escrito por Elaine Cruz
Pode ou não pode? 

Antes de completar um ano de idade, uma criança já sabe muito sobre o que pode ou não pode...

A começar em nós

Escrito por Elaine Cruz
A começar em nós

Eu cresci fazendo pesquisas escolares nas famosas enciclopédias Barsa, Britannica, ou Laro...

Quem casou bem?

Escrito por Elaine Cruz
Quem casou bem?

Quando encontramos alguém que não víamos há muito tempo, é comum que a conversa gire em to...

Escolha se comprometer

Escrito por Elaine Cruz
Escolha se comprometer

Todos nós carregamos na memória o pesado fardo de lembranças que envolvem situações em que...

Falando sem pensar!?

Escrito por Elaine Cruz
Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram cois...

Chuva e ventos

Escrito por Elaine Cruz
Chuva e ventos

Em nossa igreja cantamos uma versão de um hino americano que diz: Chuva e vento não podem...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.