Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Ser Mulher

Minha avó materna teve uma infância difícil, trabalhando muito em casa para apoiar os irmãos que trabalhavam na roça. Ela não era evangélica, e ao se casar decidiu que não gostaria de ter filhas mulheres, pois achava que os homens eram mais honrados pela sociedade.

Quando minha mãe nasceu, minha avó simplesmente não a desejou, dizendo que gostaria que ela fosse homem. Hoje é fácil analisar e perceber que ela teve depressão pós-parto, mas há 78 anos nenhum médico apontava para este diagnóstico. Assim, no auge da depressão e desespero, minha avó materna simplesmente rejeitou minha mãe a tal ponto, que certo dia saiu de casa determinada a jogar minha mãe no rio Paraíba, na cidade de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro.

Por intervenção divina, minha bisavó materna percebeu a intenção, seguiu a filha, e conseguiu impedir que minha mãe fosse jogada nas águas. E daquele momento em diante minha mãe passou a morar com a sua avó, só saindo da casa dela para se casar.

O interessante é que esta história não deixou minha mãe revoltada por ser mulher – ao contrário, quanto mais ela recontava esta história, mais ela agradecia a Deus por nascer mulher. Minha mãe, que faleceu há cerca de três anos, era extremamente feminina, do tipo que gostava de se arrumar bem (independente da condição financeira), estando sempre com os cabelos arrumados, e adornada com broches e relógios que combinavam com suas roupas e sapatos. Seu guarda-roupa era elegante, mas sempre colorido, com muitos chapéus, echarpes e roupas na cor rosa.

Aprendi com minha mãe que ser mulher é uma dádiva divina. Ela sempre trabalhou fora, era violinista e muito dedicada à obra de Deus. E ela me ensinou o valor da vida profissional, e sempre disse às filhas que, se possível, tivessem uma carreira próspera e feliz. Também nos ensinou a importância das artes, de modo que além de estudar música e tocar alguns instrumentos musicais, ainda fiz cursos de corte e costura, e tive que aprender desde cedo a arrumar uma casa e cozinhar. E ministerialmente fomos ensinadas a servir, desde cedo nos ocupando de várias funções na Obra de Deus! Ela sempre dizia que nós, mulheres, podemos ser e fazer muitas coisas…

Com o passar dos anos, não há como discordar da força e determinação feminina. Somos diferentes dos homens, e por isso não precisamos competir com eles, pois nos complementamos. Mas precisamos estar cônscias das nossas funções e habilidades, pois os lares e os filhos carecem de mulheres dedicadas, que estabelecem as bases morais e espirituais para a casa e a sociedade que habitamos.

Mulheres não são enfeites ou troféus de pais ou maridos. Mulheres são de carne e osso, sofrem e se alegram, e muitas são a alegria e o equilíbrio da casa, bem como quem provê o sustento financeiro e emocional de um lar. Muitas mulheres têm carga dupla de trabalho, e são muito eficientes tanto em uma reunião de negócios, quanto na administração do lar ou do fogão de casa. Mulheres podem ser firmes na condução da vida profissional, mas extremamente delicadas, femininas e amorosas na vida sexual com seus maridos!

Que todos os dias do ano nos lembremos que, ao passar dos anos, a beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme ao Senhor será elogiada. Que ela receba a recompensa merecida, e as suas obras sejam elogiadas à porta da cidade. (Provérbios 31:30,31). Assim sendo, cabe a nós, mulheres mais velhas, ensinarmos nossas filhas a se amarem, a servirem a Deus com alegria, a amarem seus esposos e seus filhos, e a aproveitarem a força da feminilidade que desenvolvemos em nossas múltiplas tarefas ao longo da vida social, emocional e espiritual.

É bom ter um dia para sermos lembradas. Porém, se nos posicionarmos como colunas espirituais do lar, como adjutoras dos nossos maridos, como mães firmes e amorosas, como amantes dedicadas aos esposos, como amigas de irmãs e das amigas, como profissionais competentes e servas de Deus que edificam o Corpo de Cristo, sempre e todos os dias seremos lembradas!

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Lança o teu pão! 

Escrito por Elaine Cruz
Lança o teu pão! 

Estou escrevendo este artigo diretamente da cidade do Porto, em Portugal. Deste país,...

Uma palavra às solteiras

Escrito por Elaine Cruz
Uma palavra às solteiras

Embora vivamos em um mundo dito avançado, alguns países promovem casamento forçado, ainda...

Em uma próxima vez…

Escrito por Elaine Cruz
Em uma próxima vez…

Minha bisavó materna nasceu na cidade de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro. A des...

Renove-se!

Escrito por Elaine Cruz
Renove-se!

O Salmo 139, que é um dos meus prediletos, afirma no verso 14: Eu te louvo porque me fizes...

Saudades constantes 

Escrito por Elaine Cruz
Saudades constantes 

É muito comum, quando as pessoas perdem uma pessoa que amam, especialmente quando estas fa...

Ser Mulher

Escrito por Elaine Cruz
Ser Mulher

Minha avó materna teve uma infância difícil, trabalhando muito em casa para apoiar os irmã...

Guardando moedas

Escrito por Elaine Cruz
Guardando moedas

Há um ditado popular bem conhecido desde os primórdios da sociedade, que diz: “vou pagar n...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.